fbpx

“ O azul de céu, o azul do mar e o azul de novembro…”

Sabe-se lá quantas vezes na vida colocamos nossas mãos sobre nossas consciências para que possamos fazer aquela reflexão sempre necessária à condução dos dias que temos pela frente?

Muitas, não?

Porém em Novembro não basta apenas a mão na consciência.

Criado de alguma forma para que possamos definitivamente nos conscientizar a respeito da nossa própria saúde, o Novembro Azul vem também para quebrar determinados tabus que ainda insistimos em colecionar.

Da mão a consciência ao toque retal os passos são bem pequenos para que possamos dar um novo sentido aos nossos dias de “durões e machões” quando se trata de cuidarmos do nosso bem estar.

Conseguimos acreditar que 11% dos homens brasileiros serão diagnosticados com câncer de próstata?

Que em 95% dos casos eles irão aparecer em estágio avançado?

Que em 2020 quase 70 mil novos casos de câncer de próstata foram diagnosticados?

Que o câncer de próstata representa quase 1/3 de todos os cânceres masculinos?

Sim, os números são bem alarmantes e os riscos cada vez maiores de bater à nossa porta.

Mas por que então ainda existe na cultura masculina o mito que impede a realização do exame de toque, uma das ações imprescindíveis a diagnosticar o mal antes que ele possa ser fatal?

Incrível vivermos no terceiro milênio e trazermos coisas de um passado que não cabe mais a compreensão nesses tempos.

Incrível mantermos a crença de que essas coisas somente “acontecem aos outros”.

Como é incrível necessitarmos de um mês de conscientização para que possamos pensar num mal tão grande a todos.

Mas enfim, chegada a hora da grande virada (e o sentido tem compreensão dupla aqui…), façamos aquilo que deve ser feito para que de alguma forma evitemos dissabores futuros tanto para nós mesmos, quanto para nossos familiares.

Procurar um médico e certificar-se de que tudo esteja bem é o mínimo que se tem a fazer.

Conversar com um amigo a respeito, mesmo que o tom seja na brincadeira tão comum ao brasileiro, pode auxiliar alguém também a romper essa barreira em boa parte ignorante e preconceituosa.

Dificuldade de urinar, demora em começar e terminar de urinar, sangue na urina, diminuição do jato de urina, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite? 

Por acaso sente algum desses sintomas?

Não?

Ótimo, então vá mesmo assim ao médico.

Sim?

Então corra ao médico. 

Não vivemos tempos de fugirmos das nossas responsabilidades principalmente quando a maior delas é principalmente a relativa a nossa saúde.

Concorda?

Ótimo, então vá ao médico.

Discorda?

Sem problema, mas vá ao médico.

Que todos possamos ter um Novembro bem mais azul do que possivelmente muitos que acabaram não se cuidando, tiveram.

Por nós.

E por nossos entes queridos.

@roneyaltieri

Leave a Reply