fbpx

“O Natal: e que a paz esteja em todos os lares do mundo!”

O que seria o Natal senão a oportunidade que temos de renovar a fé naquilo que acreditamos?

Independente da crença que temos (ou mesmo se não tivermos alguma) torna-se sempre importante determinarmos que “a partir de tal momento” algumas coisas necessitam mudar em nossas vidas.

Não, o mudar, não precisa passar por coisas que não andam bem para que seja feito diferente.Vale também nesse caso, melhorar aquilo que já anda bem.

Os ciclos de mudança são mais que necessários para oxigenar nossos objetivos na busca pela realização dos sonhos.

E por que não o Natal para iniciarmos esse novo ciclo?

Para os católicos, a chegada de Cristo ao mundo, tem em grande parte o significado de transformação e mudança.As Igrejas lotam e em muitas famílias ainda se cultua o acompanhamento da Missa do Galo, tendo no Papa, direto do Vaticano, o centro das atenções para o evento mostrado a milhões de pessoas pelo mundo.

Os evangélicos também creem no nascimento de Jesus Cristo. Porém basicamente se diferenciam dos católicos, apesar de todos serem cristãos, para essa comemoração, não realizando missas. As celebrações acabam sendo realizadas nos próprios lares ou em cultos nas igrejas.

No espiritismo a comemoração é bastante discreta. Sem bebidas, muitas vezes sem carne em respeito aos animais e reunidos em casa, o momento acaba sendo utilizado para reflexões sobre mensagens deixadas na Bíblia por Jesus.

Para uma religião, o mês de dezembro é reservado às Festas.No Judaísmo, apesar da não comemoração do nascimento de Cristo, no dia 14 existe o “Hanukkah” (Festa das Luzes). Nessa data é comemorada a vitória do povo Judeu sobre os Gregos, em sua luta pela liberdade ocorrida há dois mil anos.No “Menorah”, o candelabro de oito velas, cada uma delas é acendida diariamente completando os oito dias de Festa.

Agradecendo a Oxalá, a entidade relacionada a Cristo e comandante de todas as forças da Terra. Assim é o Dia 25 para os seguidores da Umbanda.

No Budismo não se comemora o Natal.Porém por admirarem qualquer pessoa que lute pela humanidade, respeitam a tradição e a figura de Jesus.A crença em “Bodhisattva”, alguém que ama a humanidade a ponto de se sacrificar por ela, os aproxima da figura do Cristo. Porém, o mês mais importante para os Budistas é maio, época do ano da celebração de nascimento e morte de Buda.

No Islamismo, Cristo é um profeta e não filho de Deus. Por força disso, não existe uma data especial para a comemoração do seu nascimento.Duas são as principais comemorações islâmicas: o encerramento da peregrinação a Meca e a celebração do desjejum após o ramadã.

Eis algumas das centenas de manifestações religiosas e de qual forma estão ou não inseridas nas celebrações de Natal.

Cada uma ao seu gosto e formato, porém todas com certeza voltadas para um mesmo propósito de fazer possível uma vida melhor e de mais paz a todos, assim como é o ensinamento de Cristo, o aniversariante deste mês.

E que assim seja…

@roneyaltieri

Leave a Reply